Manifesto à Sociedade

CONFEDERAÇÃO DA MAÇONARIA SIMBÓLICA DO BRASIL – C.M.S.B., instituição que congrega as 27 Grandes Lojas Maçônicas dos Estados brasileiros e do Distrito Federal, acompanha na Capital da República com preocupação e solidária com os que se preocupam e atuam neste grave momento por que passa a sociedade brasileira, dirige-se aos cidadãos para expressar:

1. O reconhecimento, pela Ordem Maçônica, da legitimidade do direito de reivindicação, nos limites da Lei, da Ética e da Moral, sustentáculos da sociedade e da convivência dos povos;

2. A necessidade de respeito ao direito de reivindicar e de ir e vir, de todos os cidadãos, com as vozes discordantes e a preservação do abastecimento da população, muito especialmente no que diz respeito aos itens básicos para a manutenção da vida e da ordem social;

3. A premente necessidade da sociedade brasileira, de um projeto estratégico de desenvolvimento socioeconômico com sustentabilidade, construído em bases sólidas e democráticas;

4. O combate implacável, em todos os níveis da sociedade, à corrupção e aos crimes de Estado, que dilapidaram e dilapidam o patrimônio e espancam a ética e a moralidade públicas;

5. A reestruturação do Estado brasileiro, com a construção de um novo pacto federativo, com o prestígio da eficiência e eficácia dos serviços e investimentos públicos com menor e racional uso de recursos;

6. A implementação de uma completa e radical reforma tributária, reduzindo a carga que pesa sobre os ombros da sociedade e impede o crescimento econômico e o desenvolvimento social, simplificando a estrutura do sistema e os processos de arrecadação e destinação dos recursos;

7. A urgência de uma reforma política, com a implantação do voto distrital.

É a cada dia mais evidente que a sociedade brasileira não mais suporta a tirania econômico-financeira, o regime de verdadeira espoliação a que está submetida, com o comprometimento de recursos essenciais ao desenvolvimento econômico e até mesmo à satisfação das mais elementares necessidades humanas, no sustento de uma máquina ineficiente, ineficaz, perdulária e reconhecidamente incapaz de atender aos anseios mínimos da população.

Nesse contexto, conclama o povo maçônico e a sociedade em geral, a quem a Maçonaria jamais faltou em situações de instabilidade institucional, a uma séria e profunda reflexão sobre o papel e a responsabilidade do Estado e dos cidadãos e a uma ação firme e decidida em prol de uma sociedade pautada nos princípios da Ética, da Moralidade pública e privada e da solidariedade.

Brasília, DF, 28 de maio de 2018.
JORDÃO ABREU DA SILVA JÚNIOR – PGM
Secretário Geral da C.M.S.B.

Fernando Álvares Zamora –  Acre

Josenildo Ferreira Cardoso – Alagoas

Giovanni Tavares Maciel Filho – Amapá

Fernando Ferreira Lima – Amazonas

Jair Tércio Cunha Costa – Bahia

Sílvio de Paiva Ribeiro – Ceará

Cassiano Teixeira de Morais – Distrito Federal

Walter Alves Noronha – Espírito Santo

Adolfo Ribeiro Valadares – Goiás

Ubiratan João de Castro – Maranhão

Geraldo de Souza Macedo – Mato Grosso

Sebastião Nogueira Faria – Mato Grosso do Sul

Geraldo Eustáquio Coelho de Freitas – Minas Gerais

Edilson Araújo dos Santos – Pará

José Reinaldo Camilo de Souza –  Paraíba

Waldemar Kretschmer – Paraná

Janduhy Fernandes Cassiano Diniz – Pernambuco

Pedro Alexandre de C. Mota – Piauí

Nelson Lopes Ribeiro – Rio de Janeiro

Roberto Di Sena – Rio Grande do Norte

Norton Valladão Panizzi – Rio Grande do Sul

Aldino Brasil de Souza – Rondônia

Sérgio Cordeiro Santiago – Roraima

Flávio Rogério Pereira Graff – Santa Catarina

Ronaldo Fernandes – São Paulo

Alberto Jorge Franco Vieira – Sergipe

Alexandre Modesto Braune – Tocantins