História da Maçonaria

UM POUCO DE HISTÓRIA

Em sentido amplo, a história da Maçonaria pode ser dividida em três períodos: o antigo ou lendário; o medieval ou operativo e o moderno ou especulativo.

Segundo alguns historiadores, do período antigo ou lendário, não se tem conhecimento sobre a sua origem, alcança, mais ou menos, o século V antes de Cristo, com a construção do TEMPLO DE SALOMÃO.

No primeiro quartel do período medieval, os ” Collegias Fabrorum ” do Império Romano deram origem às associações de artífices de mesmas profissões, e na Alemanha, tais entidades foram denominadas de “GUILDAS” de operários. As associações tinham por escopo guardar os segredos das profissões, e o faziam de modo a serem confiados a poucos, após um demorado tempo de aprendizado.

Naquela época, os trabalhadores, reunidos em associações ou Guildas, tinham seus serviços contratados para construção de palácios, catedrais, mausoléus, pontes, etc.

Os maçons da idade lendária e medieval são tidos pelos historiadores como maçons operativos, designação oriunda do trabalho manual de muitos, enquanto o trabalho intelectual era privilégio de poucos.

O período moderno ou especulativo surgiu durante o século XVII, quando a construção de catedrais estava em declínio, o que levou muitas GUILDAS de talhadores de pedra a aceitar, como membros, pessoas de letras eruditas, que deram outro rumo à Maçonaria, tornando-a especulativa.

Como não eram profissionais da arte da construção, foram rotulados de “maçons aceitos”.

Como resultado dessa evolução importante, teve início a MAÇONARIA, tal como é hoje conhecida. Em 1717, quatro Lojas Maçônicas, que se reuniam em Londres – Inglaterra, formaram a primeira Grande Loja do Mundo, a qual passou a credenciar outras Lojas e Grandes Lojas em muitos países.

O erro da maior parte dos escritores maçônicos consiste na tentativa de basear a história da Instituição em seu simbolismo. No entanto, a história da Maçonaria, como a história do mundo, tem a sua base na tradição.

Com freqüência, os maçons classificam a Maçonaria de “Instituição Milenar”, porque fazem remontar suas origens a tempos que se perdem na curva enevoada do passado. Contudo, os primórdios da Maçonaria são obscuros, bem como parte de sua história.

A MAÇONARIA NO MUNDO

Há, aproximadamente, 10 milhões de Maçons distribuídos por mais de 150 Grandes Lojas existentes pelo mundo. Destas, 27 Grandes Lojas no Brasil congregam mais de 80.000 maçons. Confrontando o número de Maçons existentes no mundo, com a população inteira do globo, tem-se uma idéia do grau de seletividade adotado para o ingresso na Ordem Maçônica. Embora sejamos a maior fraternidade do mundo, não igualamos, em número de adeptos, a qualquer uma das religiões menos difundidas. A força da Maçonaria está na seleção de seus integrantes, escolhidos entre os cidadãos mais expressivos de todos os segmentos da sociedade organizada, irmanados num mesmo sentimento de unidade em torno dos ideais mais elevados da Humanidade, sem fronteiras de raça, cor ou credo.

A MAÇONARIA NO BRASIL

Em nosso País, as primeiras Lojas Maçônicas foram formadas por brasileiros que voltavam da Europa, após concluírem seus estudos superiores, permanecendo até o século XIX sem ligação com qualquer Instituição Maçônica.

Não existem registros históricos confiáveis sobre essas Lojas Maçônicas, todas formadas com objetivos políticos, pelo que, a rigor, pode-se afirmar que não existiam Lojas Maçônicas no sentido amplo da palavra. Apenas a partir de 1822, que a Maçonaria passou a funcionar como tal em nosso País. Não é objetivo deste livreto entrar em detalhes da história da Maçonaria brasileira, as bibliotecas e livrarias estão bem providas de material informativo sobre o desenvolvimento da fraternidade no Brasil.

Fonte: CMSB